Leia um trecho erótico do livro “A Herdeira”

O livro de Janice Ghisleri é perfeito para deixar a noite a dois ainda mais quente!

Então, ele tomou a sua boca num beijo que a deixou fora de seu juízo. Sua língua devastou a dela, acariciou e fez abrir todas as portas para o prazer, preparando seu corpo, instigando, provocando.

Enquanto a beijava, deslizou a mão pelo seu corpo e acariciou seu seio, envolvendo o mamilo entre os dedos, fazendo as sensações atravessarem seu corpo. Quando deixou seus lábios, deliciou-se com seu pescoço.

— Você faz isso como homem, não é? — ela perguntou um tanto embriagada.

Ele riu com a pergunta. Ela era curiosa e tinha receios, mas seus recuos não eram tão veementes quanto ele pensava que seriam. Ela o desejava, e isso só fez Noah querê-la mais.

— Sim, doçura, como um homem, só que melhor.

Ele pegou a bainha de sua blusa e a retirou pela cabeça e depois seu sutiã. Ergueu mais sua saia e encontrou seu centro com os dedos, que estava banhado de sua excitação e acariciou-a, fazendo com que recebesse uma descarga de sensações. Ela gemeu alto quando ao mesmo tempo ele se apoderou de seu mamilo com a boca.

— Oh, Deus! — ela gemeu.

— Você me quer, Ester? — ele ronronou antes de lhe dar uma longa e demorada lambida pelo seu seio.

— Sim, eu quero — ela disse ofegante.

— Não terá volta.

— Eu sei.

Foi em um piscar de olhos que Noah saiu de cima dela e saltou até a porta e a trancou.

Ela se espantou, se ajoelhou na cama e ficou olhando fascinada para seus movimentos. Lentamente, Noah se virou e cravou os olhos nela, logo retirou a calça que vestia, deixando-a abandonada no chão, sem desviar o olhar.

Ela estava nua, somente com a saia embolada em seu quadril e com os sapatos. Seu cabelo havia se desprendido da presilha e lhe caía pelo lado do rosto, seus lábios estavam entreabertos e seus olhos brilhavam, dando-lhe um ar selvagem.

Noah rosnou pela visão dela, era escandalosamente perfeita e linda, e uma corrente de excitação lhe atravessou o corpo, deixando-o tão excitado que poderia matar alguém com seu membro. Queria devorá-la.

— Agora, Ester Klaus, eu vou lhe mostrar como eu amo minha mulher. Como um lobo ama sua fêmea.

Aquela informação entrou em seu cérebro como um raio, atiçando todos os seus sentidos. Ester sentiu um pouco de medo pela forma predadora que ele a olhava e se movia. Era intimidante, mas era sexy como o inferno e sabia que dele somente viria prazer, puro e simples, nunca a machucaria ou forçaria nada. Já havia percebido sua índole.

Ester o havia provocado, ela sabia e agora ele a teria.

Só com este pensamento, ela sentiu seu centro aquecer e palpitar.

Noah andou lentamente até a gigantesca cama, espreitando, conquistando, a desafiando a impedí-lo e protestar. A cada passo chegava mais perto, com os olhos fixos nela e Ester podia jurar que eles cintilavam.

— Você disse que faria isso em sua casa, depois do jantar — ela sussurrou.

— Mudança de planos. Temos tempo e não há uma alma viva que fará com que eu saia deste quarto sem ter você. Eu vou cumprir minha promessa, doçura.

— Está falando sério?

— Pensei que você estava me provocando a sério, Ester. Nunca desafie um lobo, ele sempre aceitará.

Ele lentamente se ajoelhou na cama e logo ficou de quatro, engatinhou até ela e quase encostou seu nariz no dela.

Ela olhou para seu rosto magnífico, seu corpo perfeito, de cor dourada, exalando excitação, exalando poder, detendo os olhos em sua ereção que ela queria tocar, sentir. Por um momento pensou se poderia tomá-lo, pois ele era grande, muito mais do que os jovens estúpidos com quem namorara, mas o pensamento somente fez correr uma onda de excitação pelo seu corpo. Noah não era um jovem estúpido, era um macho alfa. Sua boca quase salivou de antecipação.

— É tarde para recuar, minha doce Ester, e seu corpo está me chamando. Nunca poderá me enganar nisso, meu lobo não permitiria.

— E quem disse que eu vou recuar?

Ele soltou um leve rosnado de aprovação e acariciou sua bochecha com a dele. Aquilo era doce e delicioso e Ester sabia que era um movimento que os lobos faziam para agradar sua fêmea, e ele a olhou profundamente em seus olhos. Ali, ela percebeu muitos sentimentos misturados. Ele a aceitava, a queria e a adorava.

— Neste momento, eu te faço minha companheira.

Ele a beijou, e com seu corpo a empurrou para a cama, a amando e reivindicando o que era seu.

Noah devorou-a com seus beijos, ora lento, ora profundo e avassalador, tudo era válido para sentir o máximo que podia, sentia-se embriagado pelo sabor dos lábios de Ester, de tocar seu corpo, de ouvir seus gemidos. Nesse momento odiou-se por não tê-la reclamado antes, por ter privado a ambos estes sentimentos, estes gostos, este prazer inigualável.

Senti-la sob seu corpo, entregue, foi como alcançar a paz. Uma paz que há anos não conhecia, nem imaginava que poderia sentir. Era muito mais que isso. Tanto que nem conseguia colocar em palavras, ou descrever seus reais sentimentos.

Agora, que o inferno todo congelasse, não abriria mão dela por nada no mundo e mataria qualquer um que tentasse afastá-la dele.

Noah ficou de joelhos, pegou um dos pés de Ester, retirou o sapato, beijou seu tornozelo e fez o mesmo com o outro, e foi deslizando os lábios e depositando beijos por toda sua perna até chegar ao seu quadril.

Abriu o zíper de sua saia e a puxou pelas pernas, deixando-a nua. Noah a olhou com adoração e a tocou com os dedos, sentindo-a molhada e quente. Ela soltou o ar, que só agora percebeu que estava preso em sua garganta.

— Se abra para mim, doçura, quero sentir seu gosto.

Ela o fez, já sabendo o que ele queria. Dobrou os joelhos e abriu as pernas. Só de lembrar-se do que ele havia feito com ela na biblioteca, perdeu o rumo de seus pensamentos e sua respiração ficou difícil.

— Tão linda.

Ele a tomou com a boca e sua língua brincou, e excitou-a. Ester contorceu-se, mas ele a prendeu no lugar com as mãos. Ele foi feroz lhe dando prazer, até mais do que tinha feito na biblioteca. Ele a saboreava com vontade, com deleite, apreciando seu gosto, excitando-se cada vez mais com cada gemido que ela dava.

Ester não demorou em ter um orgasmo, pensou que toda sua prudência havia fugido voando e não conseguiu deter seu corpo de convulsionar pelo prazer.

— Noah…

— Deliciosa e toda minha — ele sussurrou entre um beijo e outro.

Noah beijou sua barriga e veio cobrindo seu corpo de beijos e leves mordidas e sugou com força um de seus mamilos, junto com um rosnado. Ele veio sobre ela, posicionou seu duro membro em sua entrada e ao mesmo tempo que tomou sua boca, invadindo-a com a língua, deslizou lentamente dentro dela.

Ester gemeu e quase não conseguia respirar, soltou dos lábios dele e virou a cabeça para trás, pois precisava de ar. Ele era grande, mas ela se sentia preparada, pois Noah a estimulara como nenhum homem havia feito em sua vida.

Ele tomou sua boca novamente com seus beijos, afogando seus gemidos e deslizou mais, saiu e empurrou. Ela gritou quando ele se colocou inteiro dentro dela, indo ao limite. Aquilo era demais. A sensação de estar preenchida por ele foi como ver estrelas.

— Oh Deus…

— Você é tão quente e apertada. Maravilhosa. Nunca terei o bastante de você, Ester.

Ele investiu, lenta e profundamente a fazendo ofegar, enlouquecendo-a, uma e outra vez.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s