Você se conhece como profissional?

Quem não se conhece sente mais dificuldades em tomar decisões e definir objetivos

Dar ouvidos a sua voz interior é o primeiro passo para o autoconhecimento
Foto: Getty Images

Se você não souber quem realmente você é, pode deixar de dar crédito a si mesma e perder a chance de crescer na empresa, no seu negócio. O headhunter brasileiro Robert Wong é categórico ao dizer que sem autoconhecimento não há vitórias consistentes. Em seu livro O Sucesso Está no Equilíbrio (Elsevier/Campus), o expert alerta: “É a energia vital que garantirá autenticidade e ampliará suas chances enquanto negocia”. Ou seja, uma dentista ou uma contadora conscientes de seu valor passam confiança aos clientes.

Para quem está à procura de emprego, ele conta que sempre que entrevista algum candidato a um cargo concorrido manda a seguinte questão: “Descreva, em um minuto, quem é você”. Há quem responda com firmeza, mas tem aquele que, mesmo com um currículo invejável, fica mudo. “Isso é grave. Quem não se conhece sente mais dificuldade em tomar decisões, definir objetivos. Para assumir uma posição importante, é preciso compreender a si mesmo”.

Lição 1: O que é se conhecer: ter autoconhecimento é saber interpretar cada emoção que sente, positiva e negativa, como insegurança ou autoconfiança, insatisfação ou satisfação, calma ou ansiedade. Com isso, você passa a perceber seus limites, consegue dizer não, é capaz de reconhecer (e corrigir) os próprios erros e de enxergar em si mesma qualidades que são o seu diferencial.”Além disso, costuma ouvir e manter o controle emocional quando está sob forte pressão.” Por outro lado, quem não toma as rédeas das próprias emoções sofre.

Lição 2: Você está indo para onde? Como identificar se você está na direção certa do seu sucesso, do que a fará feliz? As sensações negativas em relação ao trabalho atual sinalizam essa incerteza: bate irritação, ansiedade, tristeza e o questionamento “Será que é isso o que desejo para mim?” Também é comum colocar a culpa dos próprios problemas num cliente complicado, no superior, na concorrência. Para a psicóloga junguiana Rosemeire Zago, o primeiro passo para sair desse círculo vicioso e fazer as pazes com sua opção profissional é perguntar a si mesma: “Por que fico mal humorada toda vez que tenho que resolver um problema de trabalho?”, “Compraria meu serviço e produto, me contrataria ou mereceria ser promovida?”Apenas questionar-se não adianta. “É preciso ouvir as respostas”, avisa Rosemeire. Elas costumam ajudar a entrar no eixo. E a conclusão pode ser que, apesar da remuneração atraente, aquele não é seu caminho ou que precisa mudar internamente para gerar reflexos positivos. Talvez aprender a se impor mais ou ser mais flexível com os colegas. E descobrir como se motivar quando for recrutada para um projeto novo.

Lição 3: Olhar para si mesma faz a diferença. O mergulho sobre si demanda tempo, dedicação e calma. Segundo Robert Wong, as respostas surgem com clareza quando sua mente desacelera. Para conseguir isso, tem gente que dança, caminha no parque, pratica luta marcial ou faz jardinagem. Para refletir sobre sua conduta, ajuda pensar em quais reações provoca naqueles que a rodeiam no trabalho. Por exemplo, ficam na defensiva quando você faz uma crítica ou estão abertos a ouvir a sua opinião? Também vale participar de palestras que promovem autoconhecimento e, se tiver um chefe ou subordinado braço direito, pedir feedback da sua performance, mas também os pontos em que precisa melhorar.

Teste do espelho– elaborado pela psicóloga Rosemeire Zago

Para saber se você anda precisando bater um papo consigo mesma, leia as frases abaixo numerando cada uma conforme as indicações:

0. Muito raramente

1. Às vezes

2. Frequentemente

3. Sempre

( ) Você busca agradar a todos, esquecendo de si mesma e se sentindo culpada quando diz não.

( ) Sente dificuldade de ouvir sua intuição e conversar consigo mesma.

( ) Sente falta do suporte emocional da sua família.

( ) Você dá mais valor à razão do que à emoção.

( ) Sente dificuldade de analisar seus sentimentos e comportamentos.

( ) Lamenta o passado, colocando-se na posição de vítima e buscando culpados.

( ) Quando se lembra de seus sonhos, não tenta analisá-los.

( ) As opiniões e julgamentos dos outros são importantes para você.

( ) Não vê relação entre dor e/ou doenças e as suas emoções.

( ) Você tenta ser o que os outros querem que você seja.

( ) Não olha para seus sentimentos mais profundos, porque acha que vai descobrir algo muito feio.

( ) Considera-se incapaz de realizar mais, superar os obstáculos, mudar seus pontos negativos.

( ) Sente dificuldade em identificar cada sentimento e emoção, não conseguindo controlá-los.

Total

DE 27 A 39: Espelho quebrado

Parece que você não se importa com seus sentimentos e sua intuição. Não põe fé em sua capacidade. Vive angustiada, chora sem motivo aparente, e sua tristeza pode levá-la à depressão. Ou vive rindo, brincando, como forma de fugir do que sente. Às vezes, se coloca na posição de vítima. Você precisa descobrir seus pontos fortes e lutar pela sua felicidade no trabalho, parando de culpar os outros. É o começo para provocar mudanças.

DE 14 A 26: Espelho embaçado

Você sabe que seus sentimentos e comportamentos do presente têm a ver com o passado, mas não consegue fazer uma relação entre eles. Em outras palavras, identifica suas dificuldades no trabalho, mas acha complicado mudar de atitude. Precisa se “estudar” mais a fundo. Quem sabe é a ansiedade ou a timidez que a impedem de dar certo? Converse com um terapeuta para ver onde melhorar.

DE 0 A 13: Espelho nítido

Você usa cada momento para se compreender melhor, sem medo. Ouve a intuição e valoriza as experiências passadas, mesmo as dolorosas, como verdadeiros ensinamentos. Reconhece suas vontades e necessidades. Ou seja, sabe o que quer e luta por sua felicidade. Está sempre mudando aquilo que a faz sofrer. Como o autoconhecimento é um processo que dura a vida inteira, continue a se investigar, se entender e se fortalecer.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s