8 livros inspiradores para refletir sobre o amor

Porque a gente adora se apaixonar pelos livros que também podem nos ensinar muito sobre nossas paixões

Personagems como Will e Lou em Como Eu Era Antes de Você ou Christian e Anna em Cinquenta Tons de Cinza fazem a gente se apaixonar junto com nossos personagens favoritos. Mas, no dia a dia a dois em nossas vida, nem sempre tudo é assim tão perfeitamente romântico, certo? Por isso, reunimos homens e mulheres de diferentes origens e nacionalidades para nos fazer, sim, suspirar, mas pensar, entender e se inspirar nessa força universal que é o amor.

 

Cartas de Amor de Homens Notáveis, de Ursula Doyle

Cartas de Amor de Homens Notáveis

 (Divulgação/)

Lembra do livro que Carrie está lendo em Sex and the City: O Filme enquanto planeja o casamento com Big – o tal cheio de cartas de amor apaixonadíssimas enviadas por homens ilustres para suas amadas? Pois ele acabou inspirando a criação de uma edição real, que reúne paixões como a do compositor Ludwig van Beethoven por sua Elisa, tão citada no filme. É um ótimo livro não só para suspirar por grandes amores, mas para inspirá-la a adicionar um pouco mais de romantismo no seu dia a dia. Também é um retrato interessante de como o amor era manifestado e registrado ao longo de diferentes eras. Já pensou no quanto do que você exprime é influenciado pelo seu tempo?

 

Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie

Americanah

 (Divulgação/)

O tema que permeia todo o livro da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie é o racismo e, por isso mesmo, sua abordagem do amor é tão poderosa. Ifemelu, a protagonista do romance, é uma nigeriana que vive nos Estados Unidos, escreve seu próprio blog e usa sua voz para escrever sobre a vida de imigrante e seu sentimento de estrangeirismo. Enquanto se relaciona com um homem por quem sente ternura, mas não uma grande paixão, ela decide voltar para casa – e questiona que (ou quem) lar é este. Seu laço com Obinze, o amor de adolescência que deixou para trás, nunca se deteriorou em seu coração. Mas pode o amor, mesmo que ainda vivo, vencer as transformações que o tempo, as experiências e a distância provocaram um no outro?

 

Perto do Coração Selvagem, de Clarice Lispector

Perto do Coração Selvagem

 (Divulgação/)

O primeiro romance de Clarice Lispector é um relato, um fluxo de consciência, de sua protagonista Joana desde a infância até o começo de sua vida adulta. Nas páginas dele, conhece-se os primeiros amores da personagem e como o se apaixonar (ou não) conversa com o desejo dela como mulher – e sua percepção do mundo. Neste livro, a experiência do amor e do relacionamento em si é um caminho de autodescobertas, de se entender como mulher e como ser humano. E, na vida, quantas vezes só entendemos um lado novo de nós mesmas quando estamos vivendo uma ligação forte com outra pessoa? Para mergulhar fundo em si mesma.

 

A Insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera

A Insustentável Leveza do Ser

 (Divulgação/)

Através de quatro personagens centrais, o romance tcheco investiga o peso (e a leveza) de vários laços amorosos, do compromisso à traição, passando por amigos, amantes, grandes amores. O médico Tomas conhece a jovem Tereza e, de repente, se pergunta porque não consegue descartá-la depois de uma noite de sexo como faz com tantas outras mulheres. Ao mesmo tempo em que se sente cada vez mais ligado a ela, sente o impulso de traí-la com outras. Em paralelo, conhecemos uma de suas antigas amantes temidas por Tereza, Sabina. Ela tem um relacionamento com Franz que em tudo opõe o de Tomas e Tereza – cheio de peso – o deles resvala em leveza. Quem está vivendo o que sente em sua totalidade e verdade?

 

De Que Falamos Quando Falamos de Amor, de Raymond Carver

De Que Falamos Quando Falamos de Amor

 (Divulgação/)

Cerebral, a obra do americano reúne contos em que os personagens, como em um filme de Woody Allen, discutem o que é o amor para eles e relembram experiências amorosas atuais ou antepassadas na vida. O livro aborda os aspectos práticos e mais mundanos da vida a dois, as pequenas coisas que nos fazem amar o outro (e nos desapaixonarmos em mesma medida). Os contos de De Que Falamos Quando Falamos de Amor já inspiraram livremente dois filmes – Toda Forma de Amor Ligados Pelo Amor. Este último tem em suas falas finais a última linha do conto principal: “Eu podia ouvir meu coração batendoEu podia ouvir o coração de todos”.

 

Razão e Sensibilidade, de Jane Austen

Razão e Sensibilidade

 (Divulgação/)

Livro icônico de Jane Austen, ele trata de um dos temas mais caros à obra da inglesa: a idealização amorosa. Tanto a razão quanto a sensibilidade são personificados por duas irmãs, Elinor e Marianne. A primeira é tímida e extremamente prudente, o que a leva a considerar tanto o outro que evita se expor e perde oportunidades no amor. A segunda faz o tipo intenso, que aposta todas as fichas no homem que a encanta sem conhecer bem a personalidade e o caráter. As duas passam por dificuldades para, de maneiras distintas, entenderem que ao buscar o príncipe encantado pode-se perder de vista o grande amor da sua vida.

 

Bonsai, de Alejandro Zambra

Bonsai

 (Divulgação/)

A história do fim do amor de Julio e Emilia é menos importante até mesmo que o fim em si da relação. Quando Bonsai começa, este fato nos é dado meio de graça ou de presente pelo autor. Mas a história de como um amor se desintegra dentro de nós, de como a vida se desintegra, de como nos podamos como um bonsai para viver uma outra vida depois de um fim é a verdadeira trama deste livro breve, mas cheio das muitas narrativas que um amor assume dentro de nós. Procurando por Emilia em si e no mundo, Julio a relembra, a reconta, a reencontra em livros que leram, músicas que ouviram e no cultivar da árvorezinha…

 

Minha Querida Sputnik, Haruki Murakami

Minha Querida Sputnik

 (Divulgação/)

Parte da poesia deste livro do célebre autor japonês está em imaginar que se apaixonar é como partir para um outro mundo do qual você nunca fará totalmente parte junto ao outro. Afinal, a criatura amada também nos é estrangeira. E, ao terminar, aqueles dois seres celestes se afastam até que, aquele que você amou, se torne coisa de outro universo. Sumire e Mia se apaixonam uma pela outra nas páginas de Minha Querida Sputnik e é avassalador: para elas, para quem lê. Como todo grande amor, é lindo e intenso de acompanhar.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s