EM OFF: A rotina das festas brasileiras

Abrindo o jogo sem recorrer ao "aconteceu com uma amiga..."

 

As festas brasileiras funcionam mais ou menos assim: você, mulher, entra numa boate. Dá uma olhada ao redor, tenta avaliar possíveis resultados da noite. Compra uma bebida, sorri excessivamente e vai pra pista de dança (mas só quando ela já está cheia o bastante pra você não ser a louca que dança primeiro). Uma vez na pista, você tenta ao máximo dançar sensualmente sem parecer que está se esforçando, e sem olhar demais pra ninguém especificamente pra não ficar com aquele ar de desesperada. Até que chega um rapaz. Ele pergunta seu nome e você faz um charme porque ele tem que batalhar mais. No final você nega. Minutos depois ele tá atracado com uma outra mocinha e você se arrepende de ter feito um jogo duro desnecessário. Começa a chegar o fim da noinoite e nada melhor aparece. Seus critérios vão diminuindo gradativamente e você acaba com um outro rapaz que chegou em você na fila pra pagar porque, diz ele, estava com vergonha de chegar antes, mas na verdade ele só queria furar a fila mesmo. 

Quantas vezes, meu Deus, já vi essa rotina acontecer? Quantas! Bem na minha frente. Quantas meninas já quis alertar nas filas. Eu mesma já fui vítima, não do truque da fila, mas do mal-estar pós-noite “sem sucesso”. Até que um dia eu descubro que, além de extremamentedesconfortável, essa rotina é desnecessária. Por uns quatrocentos motivos, mas aqui
listarei apenas três.

1- Ficar com alguém não precisa ser uma obrigação numa festa. Tudo bem você sair com amigos sem ficar com ninguém. Você não perde pontos na competição da vida. Balançar a língua dentro da boca de outro alguém não é sinônimo de sucesso, necessariamente. A não ser que você queira muito, mas não é assim que se mede quanto você é vitoriosa nessa vida.

2- Ninguém chegar em você não significa que você é o menos atraente dos seres. Quem decide quão atraente você é, no final das contas, é você. E ninguém melhor do que você pra convencer terceiros disso. O que nos leva ao nosso terceiro motivo: 

3- Já que você quer muito um esfrega-esfrega, por que está esperando alguém aparecer? Você não precisa esperar um sujeito te convencer a ficar com ele. Você pode decidir isso sozinha e apresentar suas vontades. 

Essa pequena lista pode ser de grande serventia não só em festas noturnas como também no Carnaval que já tá aí batendo na porta. Então você, mulher querida, larga desse medo de parecer uma derrotada porque não foi super-requisitada num momento específico. E, principalmente, larga do medo de parecer ainda mais derrotada porque sabe o que quer e foi lá buscar. Isso, até onde eu sei, é coisa de gente vitoriosa.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s