Impressão minha ou isso foi sexista?

Para nos ajudar a notar essas situações, a americana Jessica Bennett escreveu o livro The Feminist Fight Club e conta sua experiência

Formamos o Clube da Luta Feminista alguns anos atrás em uma tarde no primeiro andar de um McDonald’s de Nova York, acompanhadas de milk-shakes e batatas fritas. Era um grupo de apenas três mulheres na época, todas funcionárias iniciantes de um programa de TV que você provavelmente não conhece. Uma delas estava desempenhando os deveres de um cargo dois níveis acima do seu salário, mas sem o título ou alguma compensação. Outra, depois de quatro anos como assistente, foi “promovida”, mas sem aumento. “Sentíamos que estávamos presas”, explicou depois. “Não tínhamos uma rede, nenhum mentor. E percebemos que — no nosso escritório, pelo menos — a opinião dos homens significava mais.”Não éramos ingênuas. Sabíamos que o sexismo existia. Mas essa era uma forma diferente dele — mais sutil, amigável, que parecia inofensivo. Nosso Clube da Luta Feminista nasceu para responder a perguntas pertinentes. Uma mulher queria saber: como ela poderia fazer com que o colega que sempre a interrompia ficasse quieto? Outra: como agir quando suas ideias eram apresentadas sem receber o devido crédito? Nada disso era uma discriminação aberta. Normalmente, esses eram caras com quem a gente até se dava bem. Juntas, nos sentimos fortes o suficiente para enfrentar esse inimigo estranho e sutil. Durante anos, as táticas do clube foram passadas silenciosamente entre nós, como se fossem uma pedra preciosa. Mas agora chegou o dia de compartilhar sobre o clube. A primeira regra sobre o Clube da Luta Feminista: a gente fala, sim, sobre ele e sobre os nossos inimigos.

 

INIMIGO: O Bropropriator

Esse termo é uma junção de bro (curto para brother, irmão, mano em inglês) e appropriating (apropriação). Em uma reunião do escritório, o Bropropriator se apropria do crédito do trabalho das mulheres: apresentando as suas ideias como sendo dele ou às vezes não fazendo nada e ficando com o crédito.

HORA DA LUTA

Conversa dura  

É difícil alguém ficar com o crédito de uma ideia sua se você mostrá-la com autoridade e de um jeito que ninguém vai esquecer. Fale sem usar “com licença”, “desculpa” ou fazer voz fininha. Nem pense em “Fico imaginando se a gente tentasse…”, e sim “Sugiro que a gente tente…”

Plano de ação

Puxe o crédito de volta para você agradecendo por terem gostado da sua ideia. É uma manobra eficaz que ainda deixa você bem. “Exatamente. Que bom que você concorda com a minha sugestão! Agora vamos falar sobre os próximos passos.”

Parceria 

Encontre um amigo — até mesmo um que seja homem. Deixe-o ajudá-la na “publicidade” em reuniões. Peça para ele reafirmar o que você diz. Quando alguém tentar tirar o crédito do seu precisoso trabalho, observe enquanto ele diz: “Sim, como a Jess falou”.

 

INIMIGO: O Falso Chefe

Esse termo se refere àquele colega homem que insiste em te tratar como a secretária do escritório, mesmo quando está claro que você não é: casualmente, te pede para reservar a sala de reuniões ou manda você pegar uma xícara de cafezinho para o cliente (seu cliente, não dele, aliás).

HORA DA LUTA

Péssima barista

Faça o que a estrategista digital e fundadora da Tech Lady Mafia, uma rede que apoia mulheres que trabalham na internet, Aminatou Sow, faz: quando um colega homem pede para ela fazer um cafezinho, ela diz educadamente que ficaria feliz em fazer se soubesse como — a mãe dela a aconselhou a nunca aprender a fazer café (para que ela não tivesse que acabar fazendo). Com a máquina de xerox, é a mesma coisa: “Eu quebrei a impressora tantas vezes que não posso nem encostar nela”.

Jogue para um boy

Livre-se da tarefa que não cabe a você sugerindo que algum cara faça. “Estou correndo para fazer uma apresentação agora. Mas sabe quem manja tudo de reembolso de viagem? O Paulo.”

Voluntariado Proibido

Nas pesquisas para meu livro, descobri que as mulheres estão mais propensas a falar “sim” para tarefas administrativas… e para se voluntariar a fazê-las também. Sabemos que dizer “não” é difícil. Mas uma coisa precisa ser fácil: não se oferecer antes da hora.

 

INIMIGO: O TPMfóbico

Esse cara assume que qualquer afirmação direta que sai da boca de uma mulher quer dizer que ela “está naqueles dias”. Um bom exemplo desse tipo? Donald Trump. Mas ele também aparece no formato daquele amigo que depois de vê-la exaltada em uma reunião pergunta: “Você está bem? Parece irritada demais”. Sei.

HORA DA LUTA 

Finja que não está nem aí   

Respire fundo e mantenha o mesmo tom de voz. Fale deliberadamente. Sua raiva é válida, mas canalize o sentimento para manobras estratégicas ofensivas. Não facilite para que ele diga “Não disse?”

Responda 

“Não, João. Eu não estou menstruada — mas os seus relatórios de venda parecem estar deixando a empresa na mão.” “Peraí, Pedro, estou confusa. Você quis dizer aqueles dias em que eu fiz o trabalho pra você?”

A justificativa 

É só mostrar um pouco de revolta e as pessoas vão assumir que você está agindo por irracionalidade feminina, enquanto a raiva de um cara é sempre encarada como uma resposta lógica. É possível cortar esse padrão enfatizando por que você está chateada. Joan C. Williams, autora americana do livro What Works for Women at Work (“O que funciona para mulheres no trabalho”, em tradução livre), dá uma dica: “Se eu pareço brava, é porque eu estou brava, e eu estou brava porque você pôs a perder [insira um objetivo profissional de vocês aqui]”.

 

INIMIGO: O Filho de Chocadeira

Esse cara vê mães como funcionárias menos comprometidas (imagina uma mulher se comprometer com a família e o trabalho?). Nos Estados Unidos, uma mulher que inclui no currículo as palavras mãe, professora e coordenadora está 79% menos propensa a ser contratada. Além disso, corta pela metade as chances de ser promovida e recebe, em média, mil dólares a menos de salário.

HORA DA LUTA

Mostre seu comprometimento

Marque uma reunião para elaborar seus planos de carreira após a licença-maternidade. Deixe claro que você ainda é a mesma funcionária determinada. Em um estudo feito com pais casados que se candidataram a uma vaga de engenharia, os que incluíam estar dispostos a fazer sacrifícios pela carreira tiveram mais chances de ser contratados que os outros. Às vezes é tão simples como apenas frisar seu comprometimento em voz alta.

Mude sua perspectiva

Se você está do outro lado, não pense que só porque uma mãe vai embora mais cedo não está se esforçando. Tente não penalizar suas colegas ou subordinadas se elas tiverem que ajustar os horários de vez em quando. O que importa é que o trabalho esteja sendo feito.

Lute por um tempo mais flexível  

As pesquisas do nosso clube mostram que horas mais flexíveis, jornadas de trabalho otimizadas e mais autonomia podem fazer com que os empregados se tornem mais produtivos (e felizes) do que o tradicional horário das 8 às 18 horas. Então, se você estiver no comando, coloque a mão na massa: lute por licença parental — e incentive os homens e a mulher a saírem — e uma política que valoriza mais o trabalho feito do que passar muito tempo no escritório.

 

Veja também:

Números atualizados comprovam a diferença salarial entre gêneros

Pesquisa revela os números do preconceito no Brasil

 

 

INIMIGO: O Infantilizador

Ele lentamente testa a sua paciência e reduz a sua percepção pública pelo seu sexo, sua raça ou sua idade. Ele é o cara que acha que é ok te chamar de “garota”, “querida” ou “mocinha” em uma sala cheia de colegas. Deixe claro pra ele que nada disso é ok.

HORA DA LUTA

Não dê atenção  

Se for algo que role só de vez em quando, ignore. Alguns caras desse tipo são como o irmão mais novo que fica te cutucando sem parar até que você reaja. Não seja a irmã mais velha que reage e leva a culpa dos pais. Deixe-o falando sozinho, siga o baile, como o mulherão da porra que você é.

Analise 

É fácil pensar na sua resposta para um Infatilizador se você sabe de onde está vindo esse comportamento dele. Ele tem inveja do seu poder? Inseguranças?

Confronte  

Se o cara é um supervisor ou um colega, é do interesse dele que sua imagem profissional seja boa. Não fique receosa de explicar isso a ele. “Eu estou tentando me estabilizar no nosso time, e me preocupo que não fique legal pra gente quando você me chama de ‘mocinha’. Sei que você não fala por mal, mas pode ser que os outros não entendam.”

 

O INIMIGO: É você

A IMPOSTORA

O termo “síndrome da impostora” foi criado na década de 70, mas dá para dizer que nós, mulheres, sempre nos sentimos assim: aquela sensação de não merecer o mérito, mesmo depois de ter feito algo ótimo — como se tivesse enganado todo mundo. É hora de parar de se desvalorizar.

HORA DA LUTA

Irmandade  

Converse com uma colega mulher. Ela também já se sentiu como uma impostora? Saber que isso é um sentimento pelos quais outras também passam vai te ajudar a ver que é algo comum — mas que não tem razão de ter.

Essa é a lógica do cérebro 

Se pergunte qual evidência existe de que você é menos qualificada do que qualquer outra pessoa para fazer esse trabalho. Agora pergunte quais evidências existem de que você é qualificada. Faça uma lista de no mínimo dez itens.

Aprenda a se amar 

As palavras que fala para si mesma podem, de verdade, mudar a maneira como você se enxerga — trazendo confiança antes e durante um evento que a deixa nervosa, por exemplo. Então escreva para você mesma ou fale no espelho. Diga como é uma mulher maravilhosa do mesmo jeito que os colegas homens. Refira-se a si mesma como outra pessoa — “Jessica, você é foda” —, assim como o jogador de basquete Lebron James faz. Pratique essas palavras em voz alta: “Tenho muito orgulho do que conquistei”.

 

O INIMIGO 

The Manterrupter

A palavra é uma junção de man (homem) e interrupting (interrupção), ou seja, é aquele colega que te interrompe sempre. Lembra quando o Kanye West invadiu o palco e pegou o microfone da mão da Taylor Swift? Quando um Kanye cruzar seu caminho, o segredo é não deixar que ele tenha a palavra. Sim, pode agir como uma criança mesmo. Não faça quase nenhuma pausa, não importa se ele esteja levantando a mão, aumentando o tom de voz ou ficando em pé — apenas continue falando.

 

 

“Impostoras” famosas

Michelle Obama

Quando era mais jovem, a advogada e ex-primeira-dama americana ficava acordada se perguntando se ela sonhava muito alto. “Eventualmente, eu simplesmente fiquei cansada de sempre me preocupar com o que todos pensavam de mim. Eu decidi não escutar”, disse.

Jodie Foster

Depois de ganhar um Oscar, a atriz disse que estava esperando alguém bater na porta dela e levar de volta, dizendo: “Desculpa, nós queríamos dar isso para Meryl Streep”.

Meryl Streep

Quando perguntada se ela iria sempre atuar, a mulher com a maior quantidade de indicações ao Oscar na história respondeu: “Por que alguém iria me querer ver em um filme? Eu não sei como atuar, por que eu estou fazendo isso?”

Sonia Sotomayor

A juíza da Suprema Corte americana já escreveu que antes de entrar em Princeton “não podia abalar a sensação de ter sido admitida por causa de algum descuido clerical”.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s